Ramones Museum Berlin – Quem diria? O punk rock virou tema de museu!

Flyer postcard do museu

[por Rafael Gushiken*, especial para o Palco Alternativo]

Museu inusitado em uma cidade inusitada

Berlim é sem dúvidas uma cidade que extrapola as expectativas de qualquer um que a conheça. Talvez porque ninguém espera muito dela, mas quando se depara com suas ruas, pessoas, cotidiano, realidade e etc., é totalmente uma experiência inesquecível.

E uma das minhas experiências por lá foi conhecer o Ramones Museum Berlin, ou seja, um museu dedicado totalmente aos Ramones, a quem todos consideram os criadores do punk rock, da despretensão musical e do minimalismo dos três acordes.

Saber que existe um lugar com a intenção de preservar toda essa história é realmente satisfatório, pois já que lemos, ouvimos e vimos tantas coisas a respeito da banda e de todo o contexto do punk rock, tudo fica mais claro vendo as fotos, objetos, cartazes de turnês, entre outras coisas curiosas que estão expostas no museu.

O fundador

Flo Hayler é o cara que teve a ideia de criar este espaço para os apreciadores da banda – e de música em geral. Este alemão, claro, fã incondicional, explica no site oficial do museu que a ideia surgiu depois dele ter juntando e gastado em tantas coisas para a sua coleção pessoal sobre a banda. Ele precisava de um espaço melhor e maior para guardar tudo e compartilhar com outras pessoas.

O atual endereço do museu é também um café chamado Café Mania, ou seja, além de apreciar o que está exposto, você pode se sentar nas mesinhas que ficam na calçada da entrada e conferir o cardápio.

Foto: Rafael Gushiken
Fachada do museu e do café

Por que em Berlim e não em Nova York?

Outra questão que Flo Hayler explica é sobre o museu estar na cidade de Berlim e não na cidade de Nova York (como todos sabem, a cidade natal dos integrantes). O fato é que os integrantes (da época, Joey, Johnny, Marky e C. Jay) estiveram presentes no processo da queda do Muro de Berlim, em 1989, e para Hayler isso é motivo suficiente: a histórica banda presente em um fato histórico da sua cidade e do país dele, e também para o mundo, já que a queda do muro representa o fim da “Guerra Fria” e da União Soviética.

Ramones no muro de Berlim em 1989

O espaço

O museu não é grande, tem apenas uma área na parte térrea do prédio em que se localiza, mas com um planejamento interno e uma decoração bem feitos, acolhedor e aconchegante. Um exemplo disso é uma grande escada no centro do espaço, com degraus largos, justamente para que as pessoas possam se sentar, andar e até se deitar.

Área central do museu

Acervo e curiosidades

Há muitas fotos, cartazes e pertences dos integrantes, como jaquetas de couro, camisetas e calças rasgadas, bem ao estilo de Johnny e Dee Dee Ramone; há também baquetas e tênis de cano alto de Marky Ramone, e uma foto bastante curiosa e engraçadíssima – uma relíquia registrada da primeira formação – de Joey, Johnny, Dee Dee e Tommy, praticamente adolescentes, na entrada do clube CBGB’s (clube de rock lendário de NYC). Até a legenda da foto atenta para a calça prateada que Johnny estava usando: “Note Johnny Ramone’s silver pants” (risos!)

Calça e camiseta usadas por Johnny Ramone; tênis e baquetas usadas por Marky Ramone
Foto de 1974, Ramones Teenagers - “Note Johnny Ramone’s silver pants”

Outra coisa curiosa e surpreendente é uma faixa da turnê de despedida da banda (Tour Adios Amigos, 1996), de quando se apresentaram em São Paulo. Flo Hayler, realmente é um cara que coleciona tudo do que se trata dos Ramones. Como ele mesmo afirma no site oficial, “era viciado” no site eBay (risos!).

Faixa de São Paulo da turnê ‘Adios Amigos’, 1996

O acervo do museu também reúne fotos e cartazes de outros músicos da cena do 70’s punk rock (The Clash, Sid Vicious e Iggy Pop), como também dos músicos que tiveram uma relação mais próxima com a os Ramones, justamente por se apresentarem muitas vezes juntos no CBGB’s e estarem começando a carreira na mesma época (Debbie Harry e o Blondie; Tina Weymouth e Chris Frantz do Talking Heads e o projeto paralelo, Tom Tom Club).

Fotos e cartazes de outros músicos famosos

Amigos, músicos e famosos contribuindo

O museu atrai visitantes de todo o mundo. Nos dois primeiros anos de sua existência (de 2005 a 2007), mais de 10 mil pessoas visitaram o local. Há também músicos e amigos pessoais de Flo Hayler que já passaram por lá, contribuindo financeiramente para os fundos do museu, se apresentando em formato pocket-show e tocando covers de Ramones.

Os visitantes famosos, como os integrantes das bandas Backyard Babies e Die Toten Hosen, contribuíram deixando assinaturas ou “artezinha” pessoal em um grande muro na entrada do museu, chamado “Wall of Fame“. Outros famosos, que conhecem o museu mas ainda não puderam visitá-lo, também contribuíram enviando materiais para o acervo, como fizeram os integrantes do Green Day e Pearl Jam.

Assinaturas e artes pessoais no "Wall of fame"

Outra conquista do Ramones Museum Berlin é a citação em publicações de guia de viagem, como por exemplo, no guia Lonely Planet, que desde de 2007 sempre inclui a dica de visitação ao museu.

Aproveitando a deixa, fica a minha dica também: “Hey ho! Let’s go! To the Ramones Museum Berlin!” (pronto, já citei o famoso grito, risos…)

Serviço: RAMONES MUSEUM  & CAFE MANIA & BLITZ BOUTIQUE

Krausnickstraße, 23 – 10115 Berlin-Mitte – Alemanha

De segunda a domingo, das 12h às 20h (3,50 euros)

Fone: +49-30-75528890

E-Mail: mail@ramonesmuseum.com

Website: http://www.ramonesmuseum.com/

Fanpage Facebook: http://www.facebook.com/pages/RAMONES-MUSEUM-BERLIN/114026385509

*Sobre o autor: Rafael Gushiken, 29, webdesigner social media worker, ex-baterista e integrante de bandas covers, admirador de rock e música eletrônica. Viajou pela Alemanha no último verão europeu (junho de 2010) e desbravou um museu inusitado dedicado à banda Ramones. Como admirador de rock e boa música, se encantou com o lugar e quis compartilhar para o blog Palco Alternativo, um pouco dessa felizarda experiência. Contatos: @rafagushifacebook/rafagushi

One thought on “Ramones Museum Berlin – Quem diria? O punk rock virou tema de museu!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *