Indie Festival traz documentários sobre movimentos e figuras do underground

O Indie Festival está de volta. Para quem gosta de música, o festival já se tornou um prato cheio com documentários e filmes sobre os bastidores e boas histórias do mundo musical. Este ano não é diferente. Depois de passar por Belo Horizonte, o festival chega a São Paulo nesta sexta-feira (16). Confira o que vai rolar na mostra Música do Underground:

Os Inocentes comemoram 30 anos repassando sua história no documentário Inocentes – 30 Anos. Dirigido por Carol Thomé e Duca Mendes, o filme relembra a trajetória da banda e traz, além dos integrantes Anselmo Monstro, Clemente Nascimento, Nonô, Ronaldo Passos – as participações especiais de Wander Wildner (Replicantes), Sandra Coutinho (Mercenárias), e Mauricinho (primeiro vocalista do Inocentes).



Barulho e Resistência é uma viagem inspirada através da utopia contemporânea européia, que mostra como alguns grupos unem proteso e música em cidades como Barcelona, Moscou e Berlim. É dirigido por Francesca Araiza Andrade e Julia Ostertag.

Chamado de o guru do grunge, Steven (Jesse) Bernsteinm gravou com o Sub Pop Records e inspirou Kurt Cobain, Oliver Stone e muitos outros escritores, cineastas e músicos do grunge e do punk, é, provavelmente, um dos homens mais importantes do rock. Por isso, nada mais esperado do que chamar um filme em sua homenagem de Eu Sou Secretamente um Homem Importante.

Em Seattle, ele é considerado uma das vozes mais influentes do século 20. O filme de Peter Sillen vai nos levar para mais perto do universo de Bernstein por alguns minutos. Boa pedida para os saudosos dos anos 90, no mês em que Nevermind completa duas décadas.



Everyday Sunshine: A História do Fishbone, de Lev Anderson e Chris Metzle, traz a potencialidade desta banda negra que embaralhou a cabeça de todos criando um crossover de rock, ska, funk.

FIX – The Ministry Movie, de Douglas Freel, conta a história do Ministry, grupo que elevou o nível do rock industrial do underground para o mainstream.

Sangue, Suor e Vinil: DIY no Século 21, de Kenneth Thomas, deve ser o doc mais curioso da mostra. Imagine: com o lema “do it yourself”, 20 bandas, 3 selos e alguns artistas visuais criaram a sua própria cena e movimentar os seus ideais, sem a ilusão de esperar o grande contrato que nunca viria. Participam do filme as bandas Neurosis, Isis, Godspeed You! Black Emperor, Pelican, Oxbow, Evangelista, Thee Silver Mt. Zion Memorial Orchestra, Cave In, entre outras.



The Other F Word, de Andrea Blaugrund Nevins, podemos dizer, explora o punk way of life. É um documentário cômico sobre a vida atual de lendários ícones do punk rock como Jim Lindberg do Pennywise e Flea do Red Hot Chili Peppers. Bebidas, drogas e guitarras estão agora sendo substituídas por fraldas, bonecas Barbie e American Idol.



Com o foco mais no formato, o documentário Presspauseplay, dos suecos Victor Köhler e David Dworskyabre, uma discussão sobre os efeitos positivos e negativos da tecnologia sobre as indústrias da música, cinema, fotografia e literatura.

Para fechar a lista de documentários musicais resta Uma Ilha, um filme sobre uma banda e…a ilha. Em agosto de 2010, o cineasta francês Vincent Moon e a banda Efterklang se encontram em uma ilha na costa dinamarquesa. O objetivo era fazer um filme com a mesma duração de um álbum e muitas performances, experiências e colaborações. O resultado dessa experiência você terá que ver o filme.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *