Rosie And Me, entre chamas e distorções

[Por Andréia Martins]

Os curitibanos do Rosie and Me

Nem parece, mas Rosane Machado diz que ainda está se acostumando com o peso e barulho da guitarra. Para quem acompanha o Rosie and Me já há alguns anos, vai perceber que a vocalista deixou um pouco de lado o ukelelê e o banjo e agora divide atenções entre o violão e a distorção.

Na apresentação no Sesc Ipiranga, em São Paulo, no dia 4 de agosto, Rosane mostrou que já está entendendo os macetes da guitarra, que ela toca sem palhetas, com direito até a momento rockstar — aquela hora em que o músico aperta os olhos e solta o braço na guitarra, tirando o melhor dos “wahws wahws” que a distorção proporciona.

Tocando músicas do segundo disco, Arrow of My Ways, lançado no inicio do ano com download gratuito no site e disponível no iTunes, a banda estreou no show o videoclipe de “I Couldn’t Reach You”, dirigido por Caio Rubini, e apresentou também sua versão para a música “Ready to the Floor”, hit dos ingleses do Hot Chip.

Sem modéstia, fizeram um cover tão bom quanto a versão original, tirando os beats e colocando as cordas no lugar. No final, a música recupera a pulsação dançante com o baixo de Guilherme Miranda e a bateria de Tiago Barbosa, e riffs bem típicos do eletropop com Thomas Kossar.

O novo disco, com uma pegada mais country, coloca o Rosie and Me num segundo rol das bandas independentes cujo boom veio com a internet: a das que não se mostram perecíveis, dada a boa combinação de letras, arranjos, carisma e autenticidade.

E eles parecem estar reconhecendo a amplitude do próprio público. Depois de emplacar uma música na série One Tree Hill (Darkest House, do EP Bird and Whale, de 2010), a banda seguiu para os EUA para uma turnê em março deste ano — com direito a passagem pelo Hotel Cafe, em Los Angeles, por onde dezenas de artistas já passaram, e agora a regravação do Hot Chip (que é um bônus e não está no disco da banda, só para constar).

Entre os destaques de Arrow of My Ways, temos a faixa “Jaime”, apelidada pela banda de Jaime, com uma batida crescente; “Where the Heart Is” feita para a cidade natal da banda, Curitiba; e “Treehouse”, cujo fator curioso está na inspiração para música, uma tentativa frustrada de Rosane em dançar o arrocha, em um show em Sergipe, e que traz um riff charmoso; “Shotgun to The Heart” e “I Couldn’t Reach You”. Esta última, uma das faixas mais fortes do disco, não à toa escolhida para ser a primeira a ganhar um clipe.

Sobre o clipe, uma breve história: a fazenda onde foi filmado, em Curitiba, pertence a um fã da banda, que não negou o pedido feito por Rosane: “posso colocar fogo na sua casa?”, contou ela, brincando no show. A banda garante que não queimou nada que já existisse e fez todo o cenário que é destruído pelas chamas.

2 thoughts on “Rosie And Me, entre chamas e distorções

  1. Isso se chama Brasil e também Rosie and Me! Uma dar melhores nacionais ultimamente.

  2. Estava no show do Sesc… Adoramos essa banda. Vocês só precisam aparecer mais em Sampa. o/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *