Morrisey critica Barack Obama e David Cameron

Foto: Andy Hughes/ NME
Foto: Andy Hughes/ NME

Em entrevista, Morrisey falou abertamente sobre a política tanto no Reino Unido quanto nos Estados Unidos. O vocalista dos Smiths também critica Obama e Donald Trump enquanto apoia Hillary Clinton

O cantor, que lança seu primeiro romance intitulado “List of the Lost” em setembro, recentemente, apareceu em manchetes de jornais dizendo que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama é “provavelmente branco por dentro”. Agora, falando com o site de notícias norte-americano The Daily Beast, ele mirou no primeiro ministro britânico, David Cameron.

“Quando os resultados das recentes eleições no Reino Unido vieram à tona havia surgiu uma terrível nuvem de inutilidade pairando pelo país… a questão de por que nós estamos sempre presos nesse regime elitista”, ele disse. “Isso é o por quê do povo britânico nunca estar feliz”.
Morrissey continuou: “Se David Cameron saísse da política britânica amanhã, seria impossível para ele voltar ao poder na semana seguinte. É incrível como alguém que é representante de um país inteiro pode não significar nada para toda a população.”

O ex-vocalista dos Smiths também expandiu suas críticas ao Obama, dizendo: “Eu não consigo ver ele fazendo absolutamente nada pela comunidade negra exceto seus avisos de que eles precisam respeitar as forças de segurança”.

“Isso é ridículo porque as chamadas forças de segurança são uma espécie de Ku Klux Klan para a maioria dos negros americanos. É evidente para mim que os homens negros estão sendo deliberadamente assassinados pela América como uma clara mensagem a Obama, de que a presidência dele não significa nada e que a divisão racial é agora maior do que nunca”.

“Obama não deve perceber isso, mas se um policial branco atirasse em uma de suas filhas, eu não imagino que ele estaria inclinado a aceitar a exoneração desse policial branco”, acrescentou o músico britânico, de uma forma mais agressiva,

E foi ainda mais longe: “O questão final sobre o Obama é que ele não se parece muito com um negro africano. Ele está mais próximo do branco como uma pessoa que não é branca poderia ser, e eu frequentemente me pergunto se ele teria sido eleito caso ele tivesse um rosto mais negro africano. É uma questão”.

Vale lembrar que o Barack Hussein Obama, natural de Honolulu, Havaí, é filho de uma mulher branca, do Kansas (sul dos Estados Unidos) com um árabe africano, nascido no Quênia. Obama é 50% caucasiano pela parte de sua mãe, 43,75% árabe e apenas 6,25% africano pela parte do pai.

Na entrevista, Morrisey ainda criticou o potencial candidato republicano à presidência dos Estados Unidos, Donald Trump e demonstrou apoio a Hillary Clinton.

List of the Lost

Críticas políticas à parte, voltemos ao novo capítulo de Morrisey no universo literário. O músico que já havia lançado uma autobiografia em 2013 pela editora Penguin, lança agora seu primeiro romance, List of the Lost, pela mesma editora, no dia 24 de setembro, disponível apenas no Reino Unido, Irlanda, Australia, India, Nova Zelândia e África do Sul.

A última vez que falou publicamente sobre seu romance, em janeiro de 2014, Morrissey comentou: “Eu estou no meio do caminho do meu romance. Eu tenho esperanças [no meu livro]. [Afinal] A verdade é que as estações de rádio não vão tocar minha música, e a maioria das pessoas perderam a fé na indústria musical, e é assumido, geralmente, que o número um das paradas de sucesso são compradas pelas grandes gravadoras, então não resta realmente mais paixão no pop ou no rock, e eu não acho que as pessoas acreditam por um instante que os rostos que constantemente vemos na televisão e revistas são remotamente populares”.

Da redação com informações da NME

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *