Qualquer Bordô: Primeiras Impressões

qualquer-bordo-imagem-5

Chegou em nossa caixa de mensagens o release de um duo novo, recente, cheirando a carro zero chamado Qualquer Bordô. Nome interessante dessa dupla. “Vem de amor, da derivação do vermelho que cobre nosso corpo, do refino e da liberdade”, diz.

Pois bem, a banda é formada por Carol Kozovits (vocal e sintetizadores) e Tai Britto (vocal, violão e percussão). Ela de Curitiba e ele de Brasília. Se trombaram em São Paulo, se amarraram e criaram a banda. De 2014 até agora lançaram dois clipes, o “Morning Time” (vídeo) que mistura a língua inglesa com a nossa tupiniquim e a mais recente chamada “Um Pouco Além”. Tudo com um toque “folk, indie, MPB e Rock clássico”. Se lembrou de A Banda Mais Bonita da Cidade, Mallu Magalhães, Agridoce ou Clarice Falcão é por aí. Som suave, tranquilo, jovial, ótimo para casais e comprometimentos futuros, para sonhar com a(o) bela(o) que está lá, pertinho de você.

Desde que apareceram, parece ter rolado um burburinho com críticas positivas, mesmo com apenas duas canções que viraram vídeos – bem feitos – nas mãos da Trunkshot. Lembrando que logo mais haverá, claro, um disco com mais de duas canções ainda sem previsão de lançamento.

Falei pacas e não comentei as músicas. A música mais recente, “Um Pouco Além” é doce e uma ode ao amor ou ao companheirismo. “Tão grande foi o nosso encontro/Que, sem mesmo notar, me perdi/Tão leve foi o desencontro/Que já não encontro razões pra não ir”. Engraçado que a batida me fez lembrar de “On Fire” da banda Sebadoh. Só também e que fique claro já que, tanto letra, musicalidade e estilo, as duas são muito distintas e opostas. Muito mesmo!
Já “Morning Time” é uma confissão íntima do querer continuar com a pessoa ao lado. Usando as duas línguas (inglesa e brasileira) em uma só transmite a sensação de um relacionamento entre pessoas de países diferentes.

Essa é a nova safra e a nova onda que está fazendo as cabeças balançarem de um lado para o outro ao ritmo da música. Pessoas adoram, compram, devoram, amam.

Por Alexandre Galvão, do site Cottonete

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *