Molho Negro mostra que a Amazônia também é Rock’n’Roll

MN_3784
Molho Negro | Foto: Converse Rubber Tracks

[Por Magdalena Bertola]

Banda faz garage rock de responsa e vem trilhando caminho nos festivais brasileiros

Bem longe de onde costuma ficar o mainstream do rock’n’roll brasileiro, o Molho Negro, banda de Belém do Pará, vem trilhando caminho nos festivais alternativos pelo país, e já conta com dois álbuns gravados em quatro anos de vida. Considerados como um novo tempero para o garage rock, o trio formado por João Lemos, na voz e guitarra, Raony Pinheiro no baixo e Augusto Oliveira na bateria, tem influências de The Vines, Danko Jones e Black Rebel Motorcycle Club, fazendo um rock’n’roll dançante, mas nada pop.

O primeiro EP do Molho Negro surgiu em janeiro de 2012, mesmo ano em que o primeiro disco foi lançado, diz João, em entrevista a Converse Rubber Tracks, onde tiveram a chance de gravar novamente em estúdio, durante uma turnê.O segundo álbum, “Lobo”, surgiu em maio de 2014, e se tornou o ponto alto dos shows. Segundo a banda, já há um próximo projeto em pré-produção, a ser gravado ainda este ano.

Conta o vocalista que a ideia do nome veio de um amigo, e não tem, de fato, um significado, “não somos bons para essas escolhas”. João diz que chegaram até a inventar histórias para justificar o nome, mas desistiram, “achamos interessante que não tem nada a ver com música”.

Dos festivais, o Molho Negro já participou do DoSol (RN), Quebramar (AP), PMW (TO), Se Rasgum (PA) e Tucupi (AM), além de já ter tocado em terras paulistanas algumas vezes.

No site  dos caras, é possível fazer o download de um disco de graça e assistir ao vídeo de “Concurso”, uma das melhores faixas dos caras, juntamente com “Sangue no altar” e “Rui Barbosa”.

Confira a entrevista para o Converse Rubber Tracks na íntegra.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *