RESENHA: Apocalypse, Girl – Jenny Hval

JennyHval1

[Por Cristiano Junta]

Apocalypse, girl é o quinto álbum da cantora norueguesa Jenny Hval, e terceiro de sua carreira solo. O disco tem se destacado na imprensa alternativa internacional com seu som slow-jazz, experimental e letras que cavam fundo em interrogações existenciais e políticas. Foi nomeado em fevereiro para concorrer entre 12 discos ao prêmio de “Nordic Album of the Year!” da Phonofile Nordic Music Prize, e ficou em 8° lugar no raking da revista 405 e da Impose Magazine.

Meu encontro com Jenny aconteceu enquanto eu cavava na lista dos 50 melhores discos de 2015 feita pelo site Pitchtfork. “Apocalypse, girl” parece como o 42° melhor álbum de 2015 segundo a crítica da revista eletrônica. Bem, não é um bom raking, mas o que me chamou a atenção para Jenny Hval foi o que a jornalista do Pitchfork, Hazel Cills, afirma sobre o disco: “Acima de tudo, “Apocalypse, girl” é um tratado composto obscuramente sobre ter um corpo como um tipo de estado peculiar, com Hval envolvendo suas questões duradouras, questões sobre sexualidade e política em um instrumental slow-jazz minimalista”.

O disco de Jenny me tocou e parece algo mais do que “um tratado obscuro” sobre questões política e de gênero. Basta ouvir a musica “That Battle is Over” pra ver que coisa funciona muito bem.

“That Battle is Over” me impressionou pelo som e pela letra. A voz de Jenny Hval, meio sussurrante com um timbre puro, caiu magicamente bem no background difuso e “orgânico” da música. E eu adorei quando ela fala: “Estatísticas e jornais me dizem que eu sou infeliz e estou morrendo, que eu preciso de um homem e um filho para me preencher, que eu tenho uma maior tendência de ter câncer de mama. E isso é a biologia, é minha própria culpa, é uma punição divina a desobediente.”

Com o que ele arremata com uma ironia afiada, “a guerra acabou. Nossa mães suavemente sussurram: nós estamos no fim da história.” O jeito com que Jenny coloca a coisa é bastante diferente de um “tratado obscuro” ou um discurso político chato e vazio. Pelo contrário, ela fala num to pessoal e franco aquilo que muitos/as de nós sabemos sobre as coisas que “a sociedade martela na nossa cabeça”: uma receita de felicidade que simplesmente não funciona pra ninguém.

A própria Jenny comentou no site Genius a letra dessa música: “era muito importante escrever essa música como um tipo de paródia” com todas as vozes que ela não concorda, e ainda sim continuam a “stuck in my head”.

Na mesma veia de crítica social e acertando em cheios temas caros da política de gênero, agora com um som mais experimental a música “Take Care of Yourself” abre com irônica enxurrada de questionamentos:

“O que é tomar conta de si mesma? Receber um salário? Ser uma senhorita? Estar casada? Ficar grávida? Lutar pela visibilidade em seu mercado? Realizar o seu potencial? Ser saudável, estar limpinha, não deixar se fazer de tola, não machucar a si mesma? Estar depilada em todos os lugares certos?”

As ressonâncias desse “apocalipse, garotas” (e garotos), até quando? Acompanhe Jenny Hval em seu website: http://jennyhval.com/ eu já não tenho mais o que dizer.

3 thoughts on “RESENHA: Apocalypse, Girl – Jenny Hval

  1. When I initially left a comment I appear to have clicked on the
    -Notify me when new comments are added- checkbox and from now on each time a comment is added I
    receive four emails with the exact same comment. Is there an easy method you are able to
    remove me from that service? Thanks!

  2. Hello friends, how is the whole thing, and what you desire to say regarding this article,
    in my view its truly remarkable in favor of me.

  3. Hi, I think there might be some sort of button you click in the email you receive to unsubscribe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *