Nuestros Hermanos na Virada

De olho na cena musical latino-americana, o Palco Alternativo selecionou bandas hermanas, atrações da edição 2016 da Virada Cultural. Confira nossas indicações:

Violentango (Argentina)

violentango

Banda argentina volta pela 7ª vez ao Brasil e toca na noite de sábado (21) no Palco República

Formado em 2004, a banda argentina Violentango, como o nome sugere, toca um tango instrumental contemporâneo. Desde o seu começo, se caracteriza pela originalidade de suas composições e improvisações e por usar da teatralidade em suas apresentações energéticas.

Composto por duas guitarras clássicas, acordeão, baterua e baixo, a banda reinventou formas clássicas de tango aproximando-se de outros estilos musicais e novas gerações tanto na América Latina quanto na Europa. Eles são a primeira banda a exportar o chamado tango moderno para velho continente, quando participaram do festival inglês Glastonbury em 2010 e 2011.

Com cinco discos na bagagem, o Violentago já se apresentou outras vezes no Brasil. Em São Paulo, tocou na Virada Cultural de 2012. Neste mesmo ano, tocou no Festival Internacional de Teatro de BH e no Festival de Inverno de Porto Alegre. Um ano antes, se apresentaram n0 Canto de Primavera, em Goias, Festival Paraty Latino e Savassi Festival, em Belo Horizonte.

Mitú (Colômbia)

mitú

O duo se apresenta na madrugada de domingo, no palco Barão de Limeira

Mitú é um município colombiano e capital do departamento de Vaupés. É também o nome do projeto do músico colombiano Julián Salazar (integrante da banda Bomba Estéreo) juntamente com o percussionista Franklin Tejedor.

Formado em 2012 com a intenção de resgatar os valores da Colômbia profunda, Salazar convoca Tejedor a levar a selva à cidade, para criar um imaginário de fusão entre percussão e máquinas, no qual o ritmo intrínseco da música latina se encontra com as influências regionais e elementos eletrônicos.

No final do ano de sua formação, Mitú lançou seu disco de estreia, intitulado Potro, considerado o melhor disco alternativo nos prêmios Shock, realizados anualmente pela revista colombiana Shock. Além desse disco, eles levam na bagagem o disco Balnear, um dos recomendados na plataforma de música streaming Deezer.

El Remolón (Argentina)

el remolón

Outro argentino, o produtor El Remolón se apresenta na madrugada de domingo, no palco República

El Remolón é o alterergo de Andrés Schteingart, produtor que combina ritmos latino-americanos como a cumbia a uma sólida base de música eletrônica.

Depois de dez anos na cena musical de Buenos Aires, produzindo minimal techno e IDM sob o pseudônimo de Drole, El Remolón ou “preguiçoso” evoluiu criando um tempo médio das músicas que faz um bom uso do espaço. O som do argentino é descontraído, mas denso.

A força de Schteingart em sua evolução como produtor é ter mudado de código do minimal techno à dialética da minimal cumbia. Em seu disco Pibe Cosmo, ele busca matrizes sonoras exóticas que combina à cumbia eletrônica.

Da redação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *