Nublu Jazz Festival 2018 traz Morcheeba

image

8ª edição do Nublu Jazz Festival acontece de 15 a 17 de março nas unidades Pompeia e São José dos Campos, em São Paulo

O NUBLU JAZZ FESTIVAL, que já faz parte do calendário de festivais do Brasil, chega à sua oitava edição. Os shows nas unidades do Sesc Pompeia e São José do Campos começam a partir do dia 15 de março, com artistas de grande relevância para música mundial das últimas duas décadas.

Num recorte voltado para a Europa negra, destacam-se a aguardada cantora Neneh Cherry, o ícone do trip-hop Morcheeba e o emergente saxofonista Shabaka Hutchings, líder do projeto Sons of Kemet. Enfatizando a raiz africana, Seun Kuti vem acompanhado da banda Egypt 80, idealizada pelo criador do afrobeat, Fela Kuti, seu pai.

A presença feminina é outro foco. Além da já citada Neneh, as mulheres estão bem representadas por Skye Edwards, estrela do Morcheeba, e Bebel Gilberto, convidada especial do Nublu Sessions. Completando o elenco, Geanine Marques, apresenta G T’aime, seu mais recente trabalho, que passeia pelo folk, indie e bossa new romance. Os DJs Flavya, Ju Salty e Master San tocam nas pick-ups na abertura e nos intervalos durante o festival.

Consolidado desde a virada da década, o Nublu Jazz Festival vem reunindo artistas dos quatro cantos do planeta, reafirmando a identidade e essência múltipla e visionária do Nublu, originalmente um selo independente atrelado à casa nova-iorquina de mesmo nome. Fundado pelo músico e empreendedor sueco-turco Ilhan Ersahin, radicado no Lower East Side, o Nublu é um caldeirão cultural que acolhe artistas de diversos estilos, mestres da criação e da ousadia, celebrando a diversidade e a inovação.

MORCHEEBA [GBR]

Atualmente, o grupo é formado pela dupla Skye Edwards e Ross Godfrey, fundaram a banda em 1995, juntamente com Paul, irmão de Ros. Com uma sonoridade trip-hop isenta da estética dark dos demais ícones dessa cena, venderam mais de 10 milhões de cópias dos seus oito álbuns.

Skye tem uma voz bela e singular, que somada à guitarra psicodélica de Ross, torna-se uma experiência inesquecível. Embora o novo álbum do Morcheeba ainda esteja em produção, os fãs terão oportunidade de ouvir os clássicos dos anos 1990, que costumam ser apresentados no palco em grande estilo, com a maestria de quem contribuiu para a criação de um gênero musical.

NENEH CHERRY [SUE]

A cantora sueca Neneh Cherry volta para um show inédito, depois de sua única visita a São Paulo, em 1997. Rainha afropunk, antes mesmo do termo existir, ela traz influências que vão de Iggy Pop a MF Doom.

Seu disco de estreia, Raw Like Sushi, virou trilha instantânea das ruas europeias no final da década de 80, mas foi com a canção 7 Seconds, um dueto com Youssou N’Dour, que cantora se tornou mundialmente famosa.

Seu útimo álbum, Blank Project (2014), produzido pelo cultuado Four Tet, a inscreve na curta lista daqueles que podem passar dezesseis anos sem lançar um disco e não perder a relevância. A exemplo do seu pai de criação, Don Cherry, Neneh é uma artista de corpo e alma.

SONS OF KEMET [GBR]

Liderado pelo emergente saxofonista Shabaka Hutchings, o grupo Sons of Kemet foi formado em 2011 e já lançou três discos, sendo o mais recente Your Queen Is A Reptile.

Com a instrumentação centrada em tuba, bateria e sax, somada a spoken word, rap e elementos do dub, Sons of Kemet vai de New Orleans ao Caribe, de Londres ao Oriente Médio, numa verdadeira jornada sonora.

Esta é uma boa oportunidade para os fãs brasileiros do Shabaka & The Ancestors, projeto mais conhecido de Shabaka, verem e ouvirem de perto as famosas performances do músico.

SEUN KUTI & EGYPT 80 [NIG]

O filho caçula de Fela Kuti apresenta-se com a Egypt 80, orquestra de baile que herdou aos 14 anos, após a morte do pai, em 1997. Desde então, vem preservando o legado do criador do afrobeat e lutando pelas causas sociais defendidas por Fela.

Este caminho que vem trilhando culmina em Last Revolutionary, álbum em que faz uma reflexão madura sobre suas crenças políticas e sociais. Apenas duas semanas após o lançamento mundial, este trabalho será apresentado em primeira mão no Nublu 2018.

NUBLU SESSIONS (ILHAN ERSAHIN, KENNY WOLLESEN & DAVE HARRINGTON) CONVIDA BEBEL GILBERTO [EUA/BRA]

O Nublu Sessions com Ilhan Ersahin, Kenny Wollesen e Dave Harrington segue bem o conceito do club/selo fonográfico que os nomeia: um encontro de músicos para criar algo novo.

Bebel Gilberto e Ersahin, apesar de já terem atuado juntos, tanto em Istambul, quanto em Nova Iorque, onde se conheceram na década de 1990, nunca dividiram antes um palco no Brasil. Esta ocasião, portanto, torna-se especial não só para os dois, mas também para celebrar o encontro com os demais integrantes do Nublu, já que são todos amigos.

Bebel se apresenta com o grupo em show inédito, em um clima de experimentação, refletindo exatamente o que o Nublu se tornou.

G T’aime [BRA]

G T’aime é o nome do novo trabalho da cantora e compositora Geanine Marques, conhecida pelo pioneirismo na relação com a sonoridade do trip-hop em terras brasilis.

Elaborados com seu companheiro Rodrigo Bellotto, álbum e show trazem o clima delicado do amor e das (des)ilusões contemporâneas. São dez melodias compostas sem pressa, a princípio no piano e violão, com uma sonoridade folk e romântica, para embalar a madrugada. O disco foi produzido pelo sempre criativo Mauricio Takara, conhecido pelos trabalhos com Hurtmold, São Paulo Underground e tantas outras formações.

DJ FlavYa [ALE/BRA]

Nascida na Alemanha, radicada nos Estados Unidos e em São Paulo, FlavYa tem uma vasta bagagem cultural. Morando boa parte de sua vida em diferentes lugares do globo, ela foi exposta a muitos tipos de comunidades musicais. Em sua carreira de nove anos como DJ, FlavYa apresentou-se em diversos espaços de Nova Iorque, São Paulo e outras capitais brasileiras. Seu estilo eclético é marcado pela mistura de MPB, funk, soul, disco e hip-hop.

DJ Ju Salty [BRA]

Desde 2007, a DJ Ju Salty dedica-se a pesquisar a rica diversidade dos ritmos de matrizes africanas e suas influências pelo planeta. Ao misturar vários estilos de música negra em vinil, despontou numa época em que poucos ousavam trabalhar as vertentes africanas e latinas. Seus sets combinam ritmos como jazz, soul, original funk, rock’n’roll, rap, boogaloo, cúmbia, mambo, maracatu, carimbó, bossa nova, samba, afrobeat, samba-rock, tropicália e reggae, entre outros.

DJ Master San [BRA]

Músico, pesquisador e produtor de trilhas, Master San tem como base de sua discotecagem as matrizes da cultura africana, jamaicana e norte-americana, mesclando afro-funk, nujazz, breakbeat, dub e batidas originais. Como músico, tocou com Flora Matos, Síntese, Espião & Sala 70, acompanhando a banda Projetonave. Como DJ e beatmaker, já abriu apresentações de nomes mundialmente relevantes, como Dam Funk, Robert Glasper, Marlena Shaw e Raekwon.

Estúdio Laborg [BRA]

Pela sexta vez consecutiva, o Estúdio Laborg assina a videocenografia do Nublu Jazz Festival. Para essa edição, com o intuito de agregar novas possibilidades estéticas, o Laborg convida Priscilla Cesarino e Danilo Barros, do estúdio Modular Dreams, especializado na exploração da imagem eletrônica de forma analógica.

Nublu Jazz Festival 2018

SESC POMPEIA

15 março (quinta)

20h30 DJ Ju Salty [BRA]

21h30 Seun Kuti & Egypt 80 [NIG]

22h45 Sons of Kemet [GBR]

16 março (sexta)

20h30 DJ Master San [BRA]

21h30 G T’Aime [BRA]

22h45 Morcheeba [GBR]

17 março (sábado)

20h30 DJ FlavYa [ALE/BRA]

21h30 Nublu Sessions [Ilhan Ersahin, Kenny Wollesen

& Dave Harrington] convida Bebel Gilberto [EUA/BRA]

22h45 Neneh Cherry [SUE]

SESC SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

15 de março (quinta)

20h DJ Master San [BRA]

20h30 G T’Aime [BRA]

22h Morcheeba [GBR]

16 março (sexta)

20h DJ FlavYa [ALE/BRA]

20h30 Nublu Sessions [Ilhan Ersahin, Kenny Wollesen

& Dave Harrington] convida Bebel Gilberto [EUA/BRA]

22h Neneh Cherry [SUE]

17 março (sábado)

20h DJ Ju Salty [BRA]

20h30 Sons of Kemet [GBR]

22h Seun Kuti & Egypt 80 [NIG]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *