Grupo de Pesquisa sobre OVNIs do Tom DeLonge assina contrato com exército dos EUA

A escolha do ex-vocalista do Blink 182, Tom DeLonge, de dar uma pausa do mundo da música para explorar o mundo desconhecido dos Objetos Voadores Não Identificados tem dado frutos. A startup do músico acabou de assinar um acordo de cooperação com o governo estadunidense. O governo estudará os misteriosos metais “exóticos” de DeLonge, a camuflagem ativa, a “propulsão de energia com raios” e uma série de outras tecnologias futuristas.

Imagem: REBECCA SAPP/WIREIMAGE VIA GETTY. Colagem por JASON KOEBLER

A cada semana que passa, a organização de pesquisa OVNI do ex-vocalista do Blink-182, Tom DeLonge, continua nos dando motivos para levá-lo mais a sério. O grupo, chamado To the Stars Academy, acaba de assinar um acordo com o Exército dos EUA, no qual ajudará os militares a estudar e desenvolver materiais avançados com o objetivo de desenvolver “camuflagem ativa, propulsão de energia com raios e comunicação quântica” para uso em veículos militares.

Em 17 de outubro, o To the Stars uniu forças com o Comando de Desenvolvimento de Capacidades de Combate do Exército, um órgão de pesquisa e desenvolvimento. Embora o To the Stars tenha saído em manchetes recentes com seu conteúdo temático sobre OVNIs, como a aquisição de materiais “exóticos”, que alega não serem da Terra, e vídeos adquiridos da Marinha com o objetivo de mostrar fenômenos anômalos não identificados, este recente acordo com os militares retrata um lado diferente da To the Stars como uma empresa de tecnologia em potencial.

Nos últimos meses, a organização de DeLonge fez muito com a obtenção desses metais “exóticos” que, acredita, podem vir dos OVNIs. Embora o contrato não mencione especificamente a origem de nenhum desses metais, ele diz que a To the Stars e o Exército dos EUA usarão laboratórios do governo para estudar esses “meta-materiais”. Importante: um metamaterial é um material projetado para ter uma propriedade que não é encontrada em materiais encontrados naturalmente. Eles são feitos a partir da junção de vários elementos de outros compostos materiais, como metais e plásticos.

“O governo deve: Executar avaliações, testes e caracterização das tecnologias fornecidas pelo colaborador. O governo está interessado em uma variedade de tecnologias do colaborador, como, entre outras, a redução de massa inercial, meta-materiais mecânicos / estruturais, guias de onda eletromagnética de meta-materiais, física quântica, comunicações quânticas e propulsão por energia com raios”, declara o contrato.

O contrato tem duração de cinco anos. O governo não está pagando nada à TTSA, mas está concordando em colaborar com a TTSA na pesquisa de novas tecnologias e se comprometeu a gastar pelo menos 750 mil dólares na pesquisas.

“To the Stars Academy of Arts and Science é uma empresa com inovações em materiais e tecnologia que oferecem avanços de capacidade para veículos terrestres do Exército. Essas inovações tecnológicas foram adquiridas, projetadas ou produzidas pela [TTSA], alavancando os avanços em materiais metafísicos e na física quântica para impulsionar os ganhos de desempenho “, declara o contrato.” O colaborador compartilhará suas descobertas com [o Exército] que usará laboratórios e recursos do governo para descobrir as tecnologias e encontrar aplicações em veículos terrestres ”.

Em julho, a TTSA teria adquirido metais de suposta origem “exótica” e que alguns desses materiais foram duvidosamente provenientes de um indivíduo anônimo que os entregou ao finado apresentador de rádio Art Bell. Em um comunicado à imprensa, a TTSA explicou que esses metais estavam sob os cuidados da jornalista investigativa e pesquisadora de OVNIs Linda Moulton Howe.

Howe explicou que ela deu uma das peças para o co-fundador da TTSA Dr. Hal Puthoff no Instituto para Estudos Avançados em Austin, Texas, para estudo em 1996. A peça retornou a Puthoff para estudos adicionais em 2012, 2018 e, em seguida, de acordo com Howe, foi “comprado em 2019”. Howe não respondeu aos comentários sobre os detalhes da venda.

“A TTSA adquiriu materiais de várias fontes e não comenta as especificidades de cada amostra”, disse DeLonge.

Nos círculos on-line de OVNIs, o To the Stars tem sido uma organização controversa. O fato de o braço de pesquisa e desenvolvimento do Exército dos EUA estar agora trabalhando com eles conferiu a eles certo respeito. Alguns especialistas importantes especularam que o TTSA é uma operação de inteligência; eles apontam para o fato de que grande parte da equipe da TTSA trabalhou com militares e agências de inteligência do governo.

“As inovações da ciência dos materiais feitas por meio de contratos de P&D [Pesquisa e Desenvolvimento] semelhantes ao CRADA durante a corrida espacial resultaram em milhares de produtos comerciais inovadores e criaram indústrias inteiramente novas”, explicou DeLonge.

Da redação com informações da Vice

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *