Lovefoxxx toca no aniversário de um ano de reabertura da Blues Velvet

A cantora do Cansei de Ser Sexy, Luisa Lovefoxxx, é a atração principal na festa desta sexta-feira (31) do inferninho azul, em Florianópolis. Foto: Filipa Aurelio/ Divulgação

[Por Natasha Ramos]

Depois do sucesso que foi o evento que trouxe o duo Noporn para Florianópolis, em maio de 2019, a Blues Velvet aposta na DJ set da líder do CSS para comemorar um ano de reabertura da casa, amanhã (31). Os ingressos podem ser comprados antecipadamente aqui.

“O nome Lovefoxxx foi um dos primeiros a vir na cabeça, pois pude conferir o DJ set dela, abrindo o show da Duda Beat aqui em Floripa”, comenta Antônio Turnes, um dos sócios do Blues Velvet, ao Palco Alternativo.

Principalmente depois da apresentação babado da CSS no Popload Festival 2019 (assista ao vídeo), Lovefoxxx tem sido chamada a discotecar em diversas festas pelo país. “Eu sabia que seria uma escolha certeira porque, além de sócio e produtor do Blues Velvet, eu também faço parte do público-alvo da casa”, acrescenta Turnes.

“O Blues sempre reverencia o underground, o lado B, alternativo, artístico e inclusivo”, diz Antônio Turnes, um dos sócios do Blues Velvet.

Ao longo de seus 13 anos de história, o Blues Velvet sempre foi um ponto de confluência deste público lado B e alternativo, que se renova, sem perder sua essência. E é por se manter fiel a esta essência, que o inferninho azul segue sendo uma das pouquíssimas casas noturnas em Florianópolis que vale a pena frequentar.

“Quando abrimos o bar após um ano fechado, redescobrir o bar azul fez parte do processo. Recriamos a sua cena dosando o antigo com a vanguarda, batendo em teclas que são incômodas para muita gente e, principalmente, oferecendo um lugar seguro para que todos possam se expressar: isso é, e sempre vai ser, o Blues Velvet”, conta Turnes.

Respeito e resistência

A Blues Velvet oferece lista trans free e drag free em todos os rolês, e uma festa voltada para mulheres, trans e não-binários (sem a entrada de homem cis). Além disso, a equipe de bar e caixa da casa é formada 100% por mulheres.

“Defendemos a liberdade individual de expressão e achamos lindo ver tanta pluralidade na nossa pista de dança. Um dos comentários mais legais que vemos nas redes sociais ou ouvimos falar por aí é ‘como eu me sinto à vontade dentro do Blues’”, comenta Turnes.

“Prezamos para que os nossos clientes sintam-se à vontade de apenas serem: serem o que quiserem ser, vestir o que quiserem vestir, dançar como quiserem dançar”, diz Turnes.

Em tempos de ódio e de um governo declaradamente homofóbico e misógino, uma casa que se posiciona, é uma casa de respeito, um núcleo de resistência. “O fervo também é luta. A noite sempre foi válvula de escape para pessoas reprimidas durante o dia, uma saída para expressar quem realmente são ou almejam ser, e o Blues canalizou tudo isso em suas noites”, posiciona-se Turnes.

Um ano depois

No dia 31 de janeiro de 2019, há exato um ano, o inferninho localizado em um sobrado da década de 1970 no centro de Florianópolis, reabria suas portas depois de ficar um ano fechado para reforma na estrutura do espaço. “No início, voltamos num formato mais barzinho, fechando às 2h. Quem agitava as noites eram playlists criadas por DJs e amigos do bar. Hoje, após um ano, temos muito o que comemorar, inclusive, o novo horário até às 4h e tudo o que conquistamos e aprendemos durante esse processo de reabertura”, conclui Turnes.

DJ Set Lovefoxxx (CSS) no Blues Velvet Bar

Quando: Sexta-feira, dia 31, a partir das 22h
Onde: Blues Velvet | Rua Pedro Ivo, 147 – centro – Florianópolis
Quanto: R$ 20 no Sympla | R$ 30 na porta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *